O bolo mais delicioso dos últimos tempos…

… é assim mesmo que chamo esse bolo de limão com mirtilos. Não resisto a bolo nenhum praticamente, mas este é O bolo. É fofo, leve, saboroso. Vai bem com suco, café, chá. Hummm deu água na boca.

Descobri a receita no meu blog preferido de bolos e sobremesas, o A Cozinha Coletiva, que, por sua vez, tirou de um site gringo. E assim a internet vai disseminado receitas por aí, não é? Se você não conhece, tem que conhecer. Você entra lá e fica babando em tudo.

Bolo de limão com mirtilos

Ingredientes para a massa

2 xícaras e meia de farinha, mais duas colheres de sopa na finalização

2 colheres (chá) de fermento

01 colher (chá) de sal

01 xícara e meia de açúcar refinado

Raspas e um limão siciliano

01 xícara (200g) de manteiga em temperatura ambiente

03 ovos em temperatura ambiente

Meia colher (chá) de extrato de baunilha

3/4 da xícara de iogurte integral

3 xícaras de mirtilos (já fiz com duas e deu certo, e também já misturei amora e mirtilos)

Ingredientes para a cobertura

2 xícaras de açúcar impalpável (eu usei glaçucar, que tinha em casa);

2 ou 3 colheres de sopa de leite [usei 5 colheres];

1 colher de sopa de manteiga em temperatura ambiente

Modo de preparo

  1. Preaqueça o forno a 180 graus. Unte com manteiga e enfarinhe uma fôrma para bundt cake [ou uma fôrma de buraco no meio simples, se você também não tiver a própria] com capacidade para 10 xícaras. Reserve.
  2. Em uma tigela média misture as 2 e 1/2 xícaras de farinha, o fermento e o sal. Reserve.
  3. Na tigela grande da batedeira coloque o açúcar e as raspas de limão e amasse com as pontas dos dedos até  a mistura ficar homogênea e o limão liberar todo o seu sabor. Adicione a manteiga e bata em velocidade média por uns 5 minutos, até formar um creme fofo. Diminua a velocidade para baixa e adicione os ovos, um a um, batendo bem após cada adição. Incorpore também a baunilha.
  4. Retire a tigela da batedeira e adicione 1/3 da mistura de farinha, peneirando e misturando com uma espátula grande, seguida por metade do iogurte natural, outro 1/3 da mistura de farinha, o restante do iogurte e o restante da mistura de farinha.
  5. Em outra tigela misture os mirtilos com as 2 colheres de farinha reservadas, e incorpore-os à massa, misturando com delicadeza.
  6. Passe a massa para a fôrma preparada e nivele a superfície com a espátula.
  7. Leve ao forno por 55 ou 60 minutos, até que, ao enfiar um palito de madeira no bolo, ele saia limpo.
  8. Retire do forno, deixe esfriar por meia hora na fôrma, então desenforme em um prato e deixe terminar de esfriar completamente antes de cobrir.

Prepare a cobertura:

  1. Com um fouet, bata bem o açúcar, o leite e a manteiga, até ficar cremoso. A cobertura deve ficar bem grossa, mas você pode ir adicionando colheradas de leite se preferir mais rala [eu adicionei demais, então cuidado!]. Espalhe a cobertura sobre o bolo e tente esperar secar antes de servir.

Notinha: outro dia fiz e não tinha o açúcar pra cobertura. Ai eu só polvilhei um açúcar por cima na hora de servir e ficou ótimo!

Anúncios

Carne de porco mil e uma utilidades

Foi-se o tempo em que eu comia carne de porco só na ceia de Natal. Eu adoro o cheirinho do porco assando. Fica um perfume ne? Então faço sempre, vários cortes: pernil, lombo, paleta, costelinha. Mas foi o copa lombo que roubou meu coração. Faço braseado, assado, cozido.

Essa receita é um braseado no forno. Tive que improvisar porque ficar olhando a panela pra quem tem um bebê de um ano, querendo andar por tudo descobrindo o mundo não é simples. Então eu tempero, selo na panela e coloco pra assar de manhã. Na hora do almoço tá tudo pronto e o cheiro pela casa é incrível.

Ah e as sobras viram tacos, salada, molho de macarrão… ou congelo! Que vida fácil ne?!

Copa lombo desfiado

Ingredientes

1 colher e meia de sal

1 colher de chá de pimenta do reino

1 kg de copa lombo cortado em cubos grandes

2 colheres de sopa de óleo vegetal

1/2 cebola picada

3 dentes de alho picadinhos

Uma pitada de pimenta chili em pó (opcional)

Um ramo de alecrim

1 xícara de água (ou caldo caseiro de legumes)

1/2 xícara de cebolinha picada

1/2 xícara de salsinha

Suco de 1/2 limão

Modo de preparo

  1. Preaqueça o forno a 175 graus.
  2. Mostrei o sal e a pimenta do reino e tempere a carne já picada.
  3. Em uma panela que possa ir ao forno (se não tiver, use a frigideira pra selar e depois utilize uma assadeira), aqueça o óleo em fogo médio. Quando estiver quente adicione a carne. Se não couber tudo, faça em partes. O objetivo é selar a carne, deixando-a corada de todos os lados. Tire a carne de porco e reserve.
  4. Leve a panela de volta ao fogo, reduza-o, adicione a cebola e refogue até ficar transparente. Depois acrescente o alho e frite por cerca de 1 minuto.
  5. Adicione 1 xícara de água, a pimenta chili e o alecrim. Raspe o fundo da panela para usar no molho aqueles pedacinhos de carne que lá grudaram.
  6. Aumente o fofo para medio-alto, leve a carne de volta a panela e espere levantar fervura.
  7. Tampe a panela (ou coloque tudo na assadeira) com papel alumínio e leve ao forno por 2 horas e meia. Para saber se esta macia, espete a carne com o garfo.
  8. Transfira a carne para uma vasilha e desfie-a, descartando o excesso de gordura. Adicione o suco de limão, a salsinha e cebolinha e ajuste o sal se necessário. Incorpore o líquido do cozimento à carne já desfiada e sirva.

Foto: retirei do livro “30 dias para mudar – Whole30”.

Molho de tomates e berinjela

A maior parte das receitas especiais que levo na minha memória são preparos que saíram das mãos das minhas avós Rita e Nena e da minha mãe. Se a vó Rita e minha mãe abusavam do carinho nos pratos e além deles, a vó Nena, em especial, parecia se comunicar melhor com a gente por meio dos almoços de domingo. Fechadona e dada a poucos gestos de carinho com filhos e netos, ela ficava feliz de nos ver comer (como boa filha de mãe italiana). Não dizia “eu te amo”, mas ligava pra dizer “seu cural está pronto, passe aqui logo”. Era sua forma de abraçar.

Pelo que lembro, acho que nunca comi o arroz com feijão de todo dia da vó Nena (esse departamento é até hoje da Vó Rita, com quem ficávamos desde pequenas pra minha mãe ir trabalhar <3), mas o macarrão dela… era o MELHOR. Ela ia cedo à feira, comprava tudo fresco. Botava o molho de carne pra cozinhar e lá ele ficava horas, numa panela ao lado do frango ao molho. Colocava a massa fresca pra secar, ralava um pedação de queijo num ralo enorme. O cheiro que tomava conta da casa é inesquecível. As maiores memórias que tenho da vó Nena estão associadas com a gente em volta da mesa e comendo… macarrão.

Não só por isso, mas certamente macarrão é meu prato favorito. Houve um tempo adolescente em que eu achava que o prato só era bom se fosse à bolognesa (influência da vó?). Tonta eu… Hoje sou uma pesquisadora voraz de formatos e molhos que combinem entre si. Busco sempre receitas novas e poucas eu repito. Modéstia à parte, mando bem nesse departamento! 😉 Em alguns eu vou ficando especialista, como no caso do spaguetti à carbonara. Depois de errar muito, provar o carbonara de várias cantinas e restaurantes, testar diversas receitas, cheguei ao carbonara da Verena, que é sucesso em casa.

Tô dizendo tudo isso porque tem um ingrediente com o qual eu ainda não tinha feito um bom molho. Berinjela! Ela é amada aqui, mas eu confesso que não sabia muito bem tirar aquele amargo dela nos pratos. Pois eis que um livro me salvou. O “Fundamentos da Cozinha Italiana Clássica”, da Marcella Hazan, é daqueles livros pra ficaram sempre à mão, geralmente com marcas de farinha e gordura de tanto ser manuseado. Há anos eu cozinho e agora fico me perguntando como não tinha folheado este livro ainda?!

Esse é o livro 😍

As edições novas estão esgotadas no Brasil – já me descabelei. Tive acesso a um exemplar da faculdade, que me salvou da minha ignorância. Porque eu achava que sabia fazer alguns preparos clássicos italianos, mas não. Ingrediente a ingrediente, Marcella vai te contando os segredos dos pratos mais familiares de sua terra natal (com certeza tem receita ali que bate com os preparos da vó Nena). Um deles é o molho de berinjela e tomates frescos. Parece simples, e é. Mas não tenho como te dizer como esse prato combina com o nosso céu da boca. O adocicado do tomate, o amargor da berinjela, a coceguinha que o manjericão faz na língua… enfim, é um molho simples e que pode fazer você impressionar qualquer convidado. O segredo está no preparo da berinjela – nada light diga-se de passagem. A gente precisa “purgar” as berinjelas, como explica a autora. Isso ajuda a reduzir a acidez que pode ser um incômodo.

Pois fiz uma, duas, três vezes já. E o molho já é clássico em casa. Vamos lá?

Molho de tomate e berinjela

Ingredientes<

2 berinjelas grandes

Óleo vegetal

Sal e pimenta a gosto

01 receita de molho de tomate publicada aqui< strong>

Modo de preparo

  1. Corte a parte de cima da berinjela e retira sua casca Corte cada uma delas em fatias no sentido do comprimento, com mais ou menos 01 cm de espessura.
  1. Coloque uma camada de fatias “de pé” contra as laterais de uma peneira ou escorredor e polvilhe com sal. Por cima, coloque outra camada e mais sal, e vá repetindo o procedimento até salgar todas as fatias. Deixe reservado com o sal por meia hora.
  2. Coloque um prato fundo embaixo do recipiente para receber o líquido que sairá da berinjela.
  3. Enquanto isso, prepare a receita de molho de tomate e deixe apurando no fogo.
  4. Quando tiver dado o tempo da berinjela, enxugue as fatias e tire o excesso de sal, se houver.
  5. Escolha uma frigideira que caiba a fatia de berinjela e coloque óleo vegetal para fritar – pelo menos dois ou três dedos de altura (vai depender da sua panela). Ligue o fogo alto e deixe esquentar bem.
  6. Para saber se o óleo está bem quente, coloque uma pontinha da berinjela e note se o óleo chia. Se sim, pode seguir em frente. Se não, aguarde esquentar um pouco mais.
  7. Frite de duas fatias por vez (não coloque muitas ok?). Doure de um lado e depois vire para dourar do outro. Vá colocando as fatias fritas num recipiente com papel toalha.
  8. Ao terminar, pique as fatias de berinjela em pedaços menores e acrescente-as no molho de tomate.
  9. Experimente o sal e ajuste o que for necessário.

Salada especial: beterraba assada, rúcula, lascas de amêndoa e pera

Verão está aí e você sente aquela vontade de comer salada. Mas está cansado de comer a tradicional alface + tomate + azeite? Pois aqui você descobre que salada pode ir muito além do básico.

Quem ainda não leu, fiz um post contando tudo que sei e aprendi sobre saladas. Uma vez que você aprende a misturar molhos, você pode fazer salada até de ovos que vai ser sucesso. Releia o post aqui.

Pois bem, uma das minhas combinações preferidas é essa salada de beterraba assada, rúcula, pera e lascas de amêndoas. A beterraba fica desmanchando e com um sabor diferente quando assada, e combina muito bem com o azedo da rúcula, o docinho da pera e o croc croc da amêndoa. Ah, e o azeite fica aromatizado quando a gente frita amêndoa nele. 😍

Pode ser uma entrada e tanto pra impressionar aquele almoço ein?!

Detalhe: essa receita pede um tempinho de preparo pros sabores apurarem e ficar melhor ainda! Então se apronte pra fazer horas antes de servir.

Salada de beterraba assada, rúcula, pera e lascas de amêndoa

Rende 4 porções

Ingredientes

Três beterrabas grandes

Uma pera

Um maço de rúcula

Uma xícara de lascas de amêndoa

9 colheres (sopa) de azeite

3 colheres (sopa) de vinagre de vinho tinto

Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo

  1. Preaqueça o forno a 180 graus. Numa assadeira, cubra o fundo com papel alumínio deixando as pontas sobrarem para você embrulhar as beterrabas no papel. Antes de fechar, faça furos com um garfo nas beterrabas.
  2. Coloque para assar por uma hora, até que fiquem macias ao toque do garfo.
  3. Enquanto isso, lave e seque as folhas de rúcula. Reserve.
  4. Coloque o azeite em uma frigideira e leve para aquecer. Acrescente as lascas de amêndoas e deixei fritar um pouco – elas devem ficar ligeiramente mais amarelas, mas não escuras. Retire-as com a escumadeira e coloque sobre um prato com papel toalha. Coloque sal e reserve.
  5. Com o azeite que ficou na frigideira você prepara o molho para a salada. Ele ficará com o sabor da amêndoa. Numa tigela com o azeite, acrescente o vinagre, o sal e a pimenta e bata até incorporar tudo.
  6. Quando a beterraba estiver assada e já fria, fatie-a e num bowl coloque o molho e deixe na geladeira por meia hora.
  7. Fatie a pera antes de montar.
  8. Monte a salada com as beterrabas fatiadas e temperadas por baixo, as rúculas por cima juntamente com as amêndoas e a pera fatiada.

Sopa fria Vichyssoise

Algumas sopas estão entre meus pratos preferidos. No inverno, eu praticamente tomo todo dia. Mas e no verão? Sopa fria também existe, gente! E essa vichyssoise está entre minhas prediletas. É uma sopa criada por um chef francês da região de Vichy na França, e é feita à base de alho poró, batata, caldo de galinha e creme de leite. É sabor que não acaba mais! É fácil de fazer. Da pra servir de entrada em xícaras, ou de prato principal, com uns croutons por cima! Hummm

Sopa vichyssoise

Ingredientes

Três unidades de alho poró picadas finamente (só a parte branca)

Três batatas em cubos

1,5 litro de caldo de frango (receita aqui!)

Duas colheres de manteiga sem sal

Um sachet d’epice (como fazer aqui 😉

180 ml de creme de leite fresco

Sal e pimenta a gosto

Um punhado de salsinha pra finalizar

Modo de preparo

  1. Numa panela grande, coloque a manteiga e refogue o alho poró até ele ficar transparente.
  2. Acrescente a batata em cubos e mexa bem.
  3. Coloque o caldo de frango e deixei ferver.
  4. Ao ferver, acrescente o sachet e ferva até que os ingredientes fiquem macios.
  5. Coe a parte sólida e coloque-a no liquidificador. Bata, incorporando o líquido aos poucos até ter a consistência de um creme leve.
  6. Volte pra panela e acrescente o creme de leite, incorpore bem. Ajuste sal e pimenta.
  7. Desligue o fogo e deixe esfriar. Depois coloque na geladeira até a hora de servjr. Se quiser apressar pra servir coloque algumas pedras de gelo.
  8. Acrescente a salsinha antes de servir.

Chiffon, uma descoberta

Eu tenho uma certeza na cozinha: a de que, quando estamos num dia meio pra baixo, a única coisa que pode levantar seu astral é comer um bolo. Um bom bolo!
E eu estou sempre fazendo de todos os tipos. Tenho meus preferidos, os que me levam direto pra um lanche da tarde da infância preparado pela minha vó. Mas adoro buscar novas receitas (aliás, já viram meu post sobre O LIVRO definitivo de bolos, né?).
Meu mais recente queridinho é o bolo chiffon que descobri há pouco tempo no curso de cozinha. E a pergunta que fiz: como é que vivi tanto tempo sem esse bolo, minha gente?! Pois, pra tirar o atraso, estou sempre fazendo.
O que torna esse bolo especial é o ar, ele é extremamente aerado. Por isso fica leve, fofo e alto. O segredo? Bater as claras em neve separadamente de toda a mistura, e só aí incorporá-la ao preparo, gentilmente, numa dança de espátulas! Ah, outro segredo: a fôrma tem que ser a de chiffon, que é bem alta. Não tente fazer em uma forma menor, porque vai cair massa pra fora e você vai ter um trabalhão pra limpar!
Tá tudo anotadinho aí embaixo! Buen provecho!
Bolo chiffon de laranja
Ingredientes
225g de farinha
340g de açúcar
1 colher (sopa) de fermento
120 ml de óleo de girassol ou soja
6 ovos (gemas e claras separadas)
60ml de leite integral
120 ml de suco de laranja
Raspas de laranja
Meia colher de chá de essência de baunilha
Modo de preparo
  1. Preaqueça o forno a 160 graus. Enquanto aquece, prepare a massa do bolo.
  2. Peneire em um recipiente a farinha, o açúcar e o fermento. Reserve.
  3. Misture óleo, suco de laranja, leite, gemas, raspas e essência até incorporar bem. Aos poucos junte a esse líquido a mistura de farinha, açúcar e fermento. Incorpore até ficar homogêneo. Reserve.
  4. Bata às claras em neve na batedeira e adicione aos poucos, delicadamente, mexendo com uma espátula de baixo para cima em movimentos circulares. Isso é importante para não eliminar as bolhas de ar das claras. Elas vão garantir o bolo fofinho.
  5. Despeje a mistura numa forma próprio para bolo chiffon.
  6. Leve para assar por uma hora em forma não untada, até que esteja firme e dourado.
  7. Ao retirar o bolo do forno, deixe-o sobre uma grade esfriando por meia hora. Depois desse tempo, descole as laterais do bolo e deixe-o de cabeça pra baixo sobre o recipiente onde irá servir. Leva algumas horas até que ele desenforme. Por isso, faça a noite para servir de manhã!
  8. Peneire açúcar de confeiteiro sobre o bolo pronto e sirva.

Quiche de abobrinha com queijo gruyère

Amo torta salgada e sempre tenho alguma coisa na geladeira que pode render uma. Mas quiche… Quiche é aquele coringa que deixa você com pinta de chef. Mais que a torta salgada, ela é estrela e impressiona (apesar de ser meio que uma torta de omelete…). Mas é só pinta, porque é fácil de fazer (ok, as visitas não precisam saber disso!).

A massa é sempre a mesma e o creme também. O recheio? Dá pra você criar à vontade. Só lembre-se de que o recheio escolhido vai pra massa já cozido e refogado, bele?

Essa de abobrinha com gruyère é super suave. Se quiser algo mais marcante, faça a Lorraine (com bacon e queijo). Se desejar mais leve, usa queijo branco.

Quiche de abobrinha com gruyère

Para a massa:

250g de farinha de trigo

125g de manteiga gelada picada em pedacinhos

1 gema

60ml de água gelada

01 pitada de sal

Para o creme e recheio

250 ml de creme de leite fresco

250 ml de leite integral

3 ovos

3 gemas

Sal e pimenta do reino quanto baste

Noz moscada quanto baste

Duas abobrinhas médias picadas em cubos médios, refogadas na cebola e temporadas a gosto

150g de queijo gruyère ralado

Modo de preparo:

  1. Faça um monte com a farinha de trigo em um bowl. No centro coloque a manteiga gelada em pedaços, a gema, a água e o sal. Misture com a ponta dos dedos, até obter uma massa homogênea.
  2. Envolva a massa em plástico filme e leve-a a geladeira por 30 minutos.
  3. Preaqueça o forno a 180 graus.
  4. Enquanto isso, misture os ingredientes para o creme e reserve.
  5. Pique e refogue a abobrinha na cebola e tempere a gosto. Reserve.
  6. Rale o queijo. Reserve.
  7. Abra a massa numa forma com fundo falso (de 20 a 25 cm de diâmetro) com aro untado. Forre o fundo e as laterais. Leve ao forno para pré-assar por 15 minutos.
  8. Quando estiver pre-assada, coloque o recheio de abobrinha sobre a massa e por cima o queijo ralado. Por cima de tudo coloque o creme. Dê uma batidinha na forma pro creme se espalhar por igual entre o recheio.
  9. Leve para assar até que o creme esteja firme. No meu forno com a minha forma geralmente leva uns 35 ou 40 minutos. O segredo é ficar de olho no creme. Se você balançar a forma e ele não se mexer já está pronto.